21 de dezembro de 2005

Dormir descansado após as presidenciais


Depois do que foi o serviço ao PS prestado por Jorge Sampaio, pela presença discreta durante o Governo de Guterres e agora de Sócrates e pela intervenção destabilizadora durante os governos de Durão Barroso e sobretudo Santana Lopes, acho que consigo dormir descansado independentemente de quem venha a ser o próximo Presidente da República. Pelo menos, sabemos que ainda que venha a ser Cavaco, que como eu não sabe o que é a diáspora portuguesa e a cidadania global, não usará expressões como "Xico-espertismo".

Cavaco, com mais ímpetos de intervencionismo. Alegre, porventura com alguma vontade de "praxar" Sócrates, face aos maus tratos sofridos durante a guerra fraticida. Quanto a Soares, o aumento do défice e o aumento do desiquilíbrio da balança comercial é inevitável, já que as viagens para as Seichelles aumentaram de uma forma muito substancial nos últimos 10 anos.

1 comentário:

jose disse...

Visto a 2.500km de distância, o debate entre o sr. Soares e o sr. Silva foi bem interessante.
Apesar de o sr. Soares ter passado o tempo todo a "sujar" o debate, deu para perceber que o sr. Silva promete ser um Presidente bem diferente do que foi o sr Soares. Mais activo, dinâmico e responsável. Isso parece-me bem melhor do que a atitude do último presidente que intervém demitindo, discursando contra e a favor da mesma medida (desde que praticada por pessoas diferentes), mas quando se tenta apontar responsáveis pela situação, o homem não existe.
Além disso, como na nossa república chegámos a uma situação em que os governos não duram mais do que dois anos é bom que alguém com mais estabilidade assuma a liderança do país e responda perante os portugueses.
É verdade que o sr Silva só vai responder uma vez, no final do primeiro mandato, se se recandidatar, mas já mostrou pela sua postura e personalidade que não é pessoa de declinar a paternidade do seus feitos.
Observando as reacções ao debate fiquei com a sensação que o sr Soares arriscou muito neste debate e é provável que tenha perdido as eleições aqui. Aquele discurso agressivo foi apreciado pela margem esquerda do eleitorado - v. o regozijo descarado do sr Sousa -mas impressionou muito mal os moderados, o chamado centro. Neste momento a estratégia do sr. Soares é conquistar a esquerda para ser ele a passar à segunda volta. Nesse aspecto o homem jogou muito bem. No entanto pareceu-me que ao exagerar tanto, sendo mesmo mal educado e grosseiro, o homem afastou o centro. Afastou aquele grupo de eleitores que oscilam entre o ps e o psd, afastou o grupo de eleitores que usualmente decidem as eleições. Será que o homem tem artimanha suficiente para os ir buscar, nem que seja na segunda volta? Normalmente, julgo que sim - não devemos subestimar o animal político. Mas aqui levanto uma reserva. Porque este Soares tem-se mostrado excessivamente azedo, mal disposto e mesmo antipático.
Ou o homem muda muito, ainda falta um mês para o fim da primeira volta, ou não vai lá.