25 de novembro de 2006

As tangas do Ricardo (15)

Era perto de meia-noite. O Ricardo chama-me mais uma vez.
"Pai, tenho cocó."
Rápida inspecção à fralda confirma a suspeita:
"Não tens nada na fralda, Ricardo. Já deitar!"
O Ricardo aponta para o traseiro: "Pai, não é na fralda. O cocó ainda está aqui dentro..."

Adenda
Hoje de manhã, dizia o Ricardo:
"Hoje não é dia de escola. É dia de cocó."

24 de novembro de 2006

Questão filosófica

Esta é colocada pensando no que é a tarefa de educar um filho, inspirada numa conversa com a mana que não quer blogar. Mas pode seguramente ser aplicada a inúmeras outras situações.

É preferível fazer:
Coisas erradas, com boa intenção
Coisas certas, com má intenção
  

23 de novembro de 2006

One size fits all

Duvido muito da veracidade deste documento. Já a sua inutilidade é evidente.

As tangas do Ricardo (14)


Prelúdio
O Ricardo é um inventor de histórias. Nessas histórias fala por vezes de um "senhor". Quando lhe perguntei quem era o senhor, da primeira vez, apontou para ele próprio.
"Ah, é o Ricardo..." disse eu.
"Não é o Ricardo, não. É o senhor." Bom, ok. Não se fala mais nisso. É o senhor.

A "tourada" da ida para a cama ontem durou até à meia-noite e meia.
A certa altura, pedi-lhe para ir deitar o senhor. Fiquei boaquiaberto: aí foi ele, direitinho para o quarto, para ir deitar "o senhor".
Menos boquiaberto fiquei quando voltou passados 2 minutos. A história era mirabolante:
"O Ricardo foi deitar o senhor, mas o senhor fugiu. Foi lá para baixo para a rua. O Ricardo correu muito, muito, muito depressa, mas o senhor fugiu."

Educar os filhos

Gosto de ler quem escreve com muitas certezas sobre a educação dos filhos. Isto é assim, o problema disto é aquilo. Quando se faz isto acontece aquilo. Tudo é claro, transparente, determinístico.
Gostar talvez não seja o termo. Acho que o termo é mesmo invejar.

CMVM investiga


Eis que desta vez a esposa comprou acções da Galp e elas estão a valorizar. O que contraria tudo o que temos como certo no universo. Qual a explicação? Inside trading? Nada disso. Tudo se resume a uma frase que ouvi dois dias depois da OPV, e que mostram como teria sido possível fazer um negócio fraquito:
"Estás a ver? Subiram, mas já estão a descer. Eu bem te disse: por mim, tinha comprado como público em geral e vendia logo no dia a seguir. Assim só podemos vender daqui a três meses!"
Nota: A minha perspectiva é desde o início de manter as acções em carteira durante algum tempo, em vez de apostar num "APR" (abnormal positive return) instantâneo. Dito isto, nada garante que venha(mos) a ter lucro quando vender(mos) as acções...

19 de novembro de 2006

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u128319.shtml

Israel desiste de bombardeamentos

Aqui.
E eu acho que é um disparate o ataque, desde o início. Para quê matar palestinianos? Para isso, já lá estão os outros palestinianos!



Também no
Médio Oriente,
as crianças
são o futuro.