22 de janeiro de 2006

O meu Alegre voto


Nunca votei tão Alegre como hoje. E não que estivesse convicto da minha decisão.
Pedi ajuda à minha filha. Aos seus 4 anos, o mais apelativo era o Louçã. Por recusa minha, sugeriu-me o Garcia Pereira.
Este pequeno episódio mostra o que dizia Churchill:
Quem não é de esquerda em jovem, não tem coração; quem não é de direita em adulto, não tem inteligência.

3 comentários:

Gonçalinho disse...

Alegre é de esquerda... ;)

Aves Raras disse...

... e a coisa é muito mais grave do que possa parecer à primeira vista.
É que eu sempre fui de direita, desde que me conheço, e agora votei num raio de um comuna (ainda que um comuna Alegre, o que é raro).
O que diria Churchill de mim? Sou estúpido, e sem coração.

Resta-me dizer, em minha fraca defesa, que o facto a que queria alidir era mesmo o de a minha filha, rapariga de bom coração (mas péssimo feitio) vir como que confirmar as palavras do defundo senhor.

Gonçalinho disse...

Compreendido.
Mas a definição de Churchill, que aqui trancreve, não pode ser tão linear assim. Aliás, acredito que os mais jovens (não de 4 anos, como a sua filha, mas de 14-18 anos) têm tendência a ser de esquerda não por terem bom coração, mas por egoísmo. Ou não são as ideias comunistas mais confortáveis para quem olha para o futuro de um ponto de vista individual? São promessas de estabilidade e facilidades em manter o estilo de vida em que alguém cuida de nós. É esta a minha opinião. ;)
(Estou capaz de usar este comentário lá no Strix aluco...)