22 de outubro de 2006

Mudança de sexo

Em miúdo, durante uns 3 anos, tive uma piriquita amarela. Piriquita, porque quando a comprei me disseram que era fêmea.
Um dia, ao comprar alpista na loja do costume, perguntei como é que distinguiam a fêmea do macho.
"É aquela parte por cima do bico, com dois furinhos. Se for azul, é macho. Se for castanho, é fêmea."
Não, pensei eu. Isso é absurdo. Quando a comprei era castanha, mas agora é azul. Disparate. Não pode ser isso.

Só muitos anos mais tarde percebi esta mudança de sexo:
Numas férias em que a minha avó ficou com a gaiola, a piriquita conseguiu fugir e voou pela janela. A minha avó foi a uma loja comprar uma piriquita o mais parecida possível com a minha - e de facto era muito parecida - só falhou um pormenor: Era um piriquito!

2 comentários:

Gonçalinho disse...

Prova que a mentira tem sempre um defeito. ;)

Xaneca disse...

Nunca tinha ouvido essa história, mas é mesmo à Avó.
Eu tenho uma parecida, mas não tive direito a substituto. Deixei na Avó um peixe de aquário e a Avó achava que ele estava sempre a "pedir" comida, por isso deu-lhe até ele rebentar...