13 de maio de 2008

País do faz de conta

No voo de ligação entre as capitais de duas repúblicas das bananas, Lisboa e Caracas, José Sócrates, Manuel Pinho e diversos outros membros da comitiva não se coibiram de fumar o seu cigarrinho. Fosse Portugal um país a sério e a coisa não passaria impune.

Ao que parece, ninguém se sentiu directamente incomodado. Ora quando um qualquer cidadão foge aos impostos, não me consta que haja quem se sinta directamente incomodado. Será que é então legítimo usar o argumento de que não se está a incomodar ninguém?

Um dia destes, acordamos com uma cabeça de cavalo na cama. Se não na cama, talvez no Governo.

1 comentário:

HerrPedro disse...

tomei a liberdade de criar um formulário de modo a aliviar todos os tribunais

podem ver em Formulário de Ilibação